Maldivas - Férias no paraíso parte I

E para contrariar estes dias frios e cinzentos de primavera, resolvi escrever sobre a minha última viagem de sonho.
Só para abrir o apetite
Maldivas, foi o destino escolhido para uma viagem de família e amigos, e quando falo em família, estou a incluir o mais pequeno membro, o Francisco.
Esta viagem foi especial não só pelo sítio em questão, mas também por ter sido a primeira grande viagem dos 3. No ano passado, quando o Francisco tinha 8 meses, levá-mo-lo à Madeira, foi a primeira experiência em aviões com ele, e sem medos decidimos alargar horizontes e planeámos uma viagem de quase 24h, se contabilizarmos 2 aviões de 5h e 8h mais 7h de escalas entre os dois.
Planear uma viagem desta magnitude requer algum "trabalho de casa" entre o investigar e preparar. E quando a viagem passa a ter mais um ocupante de ano e meio os "trabalhos de casa" redobram.
Inicialmente é tudo muito lindo (como se costuma dizer) só depois é que surgem as dúvidas.
"Oh meu Deus e agora? Como é que vou aguentar um miúdo de ano e meio numa viagem de tantas horas?" Sempre fiz questão de o levar para todo o lado e agora não seria exceção. Para me manter positiva o pensamento foi sempre "não serei a primeira nem a última a levar um bebé para as Maldivas" portanto foi com este mote que fui orientando as coisas.
Antes de pensar no que quer que fosse, a nossa maior preocupação tinha que ver principalmente com as horas de viagem. "Será que vai fazer uma birra enorme no avião e os passageiros vão fulminar-me com os seus olhares?" Aqueles olhares típicos do "havia de ser meu filho". "E se sedássemos o miúdo????" #brincadeirinha isso não me passou pela cabeça. Vá, talvez por uns breves 5 minutos.
Além disso, nesta viagem éramos um grupo de 17 pessoas, portanto em jeito de brincadeira "meia horinha de Kiko a cada um" e a coisa dava-se sem problemas. 
Viagem marcada, pensamentos negativos afastados, vamos lá à parte da organização.
Começando pelos aviões e aeroportos, deixo-vos os meus essenciais para organizar uma viagem de longo curso com um bebé: #coisapouca
1- Confirmar com a companhia aérea de que nos dão os lugares dos bebés. Além de terem mais espaço para as pernas, há também a possibilidade de se pôr um berço do avião;
2- Falar com a pediatra sobre o que levar;
3- Levar boiões de sopa, fruta, bolachas, papa, fraldas, leite em pó, biberões; (Sim, porque como ele só paga taxas, não tem direito às refeições nos aviões como nós.)
4- Brinquedos
5- Mudas de roupa
6- Alguns produtos de higiene.
Toda uma bagagem de mão com o peso de uma de porão. 
Meses depois de planeamentos e organizações, estava tudo encaminhado, pensava eu. No entanto a lista dos meus bens essenciais estava longe de ser perfeita como irão perceber mais à frente.
Chega o dia "D", tudo arranjado e preparado, iniciámos a nossa viagem rumo ao aeroporto. Chegámos cedinho, e com isto, começavam as horas de espera em aeroportos, e para ajudar à coisa o avião estava atrasado cerca de 45 minutos/1 hora.
Na hora do check in, voltei a reforçar a questão relativa aos lugares dos bebés, e mesmo depois da agência de viagens ter requisitado estes lugares, e depois de  ter falado com a companhia aérea no dia anterior e de me terem garantido que eu, o Bruno e o Francisco tínhamos os lugares dos bebés reservados, no próprio dia, afinal isso já não se confirmava. Devem ter tido um ataque pirata aos computadores durante a noite, é a única justificação que arranjo. Conversa para cá e para lá, conseguimos FINALMENTE confirmar a porcaria dos lugares, que já não tinham outro nome.
Continuemos então a voyage. 
O meu piqueno até é um moço bem comportadito e nada dado a birras, no entanto, quando está com sono, sigurem-no, abre a goela e passamos a descobrir decibéis nunca antes ouvidos. Começa com aquele choro (berros) que entram na cabeça de uma pessoa e põe qualquer neurónio em sentido. Foi precisamente isto que aconteceu ainda ANTES da PRIMEIRA viagem de avião. E era exatamente disto que eu tinha pânico que acontecesse no avião. 
O Kiko é daqueles bebés simplesmente maravilhosos para dormir, quando chega a hora, pomo-lo na cama, damos um beijinho e vamos embora. Mas para isso acontecer, precisa de ter o seu espacinho.
Voltando então ao berreiro que se instaurou e aos olhares que ia "sentindo" por parte dos "graciosos espetadores", que das duas uma ou não têm filhos ou se os têm de certeza que são o pináculo da perfeição, começámos a mini maratona no aeroporto para o conseguir acalmar e quiça adormecê-lo. "Andanças" para cá e para lá, mission accomplished, o mal era mesmo sono, adormeceu ferrado.
Não estava a começar naaaada bem, só esperava que aquele episódio não fosse um presságio do que estaria por vir.
Chega a hora de embarcar, primeiro voo Lisboa-Istambul, são só cinco horitas. Sentados na tão desejada fila dos bebés, iniciámos a viagem. Claro que aqui o Francisco já tinha despertado e já não queria mais nada com o "João Pestana".
A parte da descolagem e da aterragem são uma delícia, vai sentadinho ao meu colo a apreciar as vistas, quando a viagem se torna monótona, entenda-se não se vê nada de jeito a não ser nuvens e céu, é tempo de dar asas à imaginação para entreter o moço. Sim, porque o "ai vou só encostar a cabeça e dormitar um bocadito"...ACABOU-SE.
Ora sai do colo, ora sobe para o colo, ora abre a janela, ora fecha a janela, ora brinca com o carrinho, com o elástico, com o aviãozinho, com o ursinho, ora toma lá uma bolachinha, ora almoça, ora toma lá outra e outra e outra bolachinha...e pronto esgotámos os brinquedos "não eletrónicos" e convém parar de empanturrar o miúdo em bolachas. Hora de pegar nas "armas pesadas" - Happy Tab da Chicco - só tenho a dizer, uma M A R A V I L H A!!! Já vem com imensas aplicações para as diferentes idades dos miúdos, e para além disso funciona como um tablet normal, portanto foi carregar com os filmes e músicas preferidos do miúdo. E acreditem que entre tablets, brinquedos e andar no espaço para as pernas, se passaram lindamente 5 horinhas. Não houve direito a descanso para nenhum dos 3, mas também não se ouviu uma única birra.



Chegados a Istambul, é hora de enfrentar a escala de 7h. Agora sim, a coisa vai tremer, pensei eu. 
E agora sim, entram em ação todos os outros intervenientes da viagem, que vieram a descansar e a ver os filmes que quiseram no avião. Pensavam eles que era só "sopas e descanso"? Na na na, hora de olharem pelo vosso sobrinho que aqui a mãe e o pai precisam de repor os níveis de sanidade mental para enfrentar o resto! 
E aqui entra o fator principal pelo qual esta viagem foi simplesmente FENOMENAL, o grupo que nela participou. Todos sem excecão são 1000 estrelas, além de todas as qualidades que os caracterizam, são absolutamente incansáveis, e obviamente sempre dispostos a "dar um olho" pela mascote do grupo, é que nem era preciso pedir.
Recordo que o Francisco detesta dar a mão e adora andar no sentido oposto ao nosso, portanto mais uma vez, e à vez, andámos todos, literalmente, atrás do miúdo.
E assim, se passaram mais 7h, que em boa verdade, pareceram menos. Estávamos cada vez mais perto do paraíso, SÓ faltavam 8 horas de avião.
Chega a hora de embarcar, eram 23h em Portugal, hora em que o Kiko num dia normal já estaria no seu 15º sonho, portanto, estava a rezar a todos os santinhos para que assim que entrasse no avião "desmaiasse"  de tanto sono que já aparentava ter, mas como qualquer criança, luta até à última, não vá perder alguma coisa interessante.
Instalados mais uma vez nos nossos maravilhosos lugares, vamos lá encostar a criança no colinho da mãe, dar o biberão e adormecer. "TÁ BEEEEEM" dorme tu, dizia ele. Já estávamos nós podres e o miúdo parecia que não fazia o reset. O avião cheio, as luzes acesas, barulho, o carrinho da comida a passar de um lado para o outro, quem é que o adormecia?
Precisávamos de reforços, e foi com este pensamento que chegou uma preciosa ajuda, a minha mãe, que também estava nesta viagem. Pegou no Kiko e levou-o para o lugar dela, deixando-nos a jantar à vontade. Meia hora depois quando lá fui ver como estava tudo, não é que o Francisco tinha adormecido?? Mais uma vez M A R A V I L H A! As avós são preciosas e esta então é simplesmente fora de série.
Hora de levar o miúdo connosco e pedir o tããããão desejado berço para podermos dormir os 3 descansadinhos!!
Sento-me com o miúdo ao colo e pedimos o berço:
Hospedeira - Quanto pesa o bebé?
Eu - Cerca de 11.5kg.
Hospedeira - Aaah, então lamento mas não podemos disponibilizar o berço, é só até aos 11kg.
WHAT????? Como assim é até aos 11kg? Então mas se eu tenho que levar o miúdo ao colo até aos 2 anos de idade, não fazem berços que dêem para mais kilos???? Isso quer dizer que vai ter que ir o tempo TODO a dormir sentado ao meu colo??
Pois, era mesmo isso que queria dizer, e foi isso mesmo que aconteceu. Esticadinho entre o meu colo e o do Bruno dormiu a viagem TOOOOODA, ele e o pai, já eu, fui lentamente deixando de sentir certas partes do meu corpo com o passar das horas. Mas para que o miúdo não acordasse, posso dizer que faço lindamente de biblô. - Primeiro erro dos meus essenciais numerados em cima. Não é que fosse mudar alguma coisa, regras são regras, mas assim podia ter-me mentalizado mais um bocadito. Qualquer das maneiras os lugares dos bebés são os melhores, pois como não temos filas à frente, temos imeeeeenso espaço para as pernas comparativamente com os outros lugares.


Acordou estávamos praticamente a aterrar, e quando começámos a ver esta vista, tudo valeu a pena.


FINALMENTE!!!!! CHEGÁMOS!!!!! Já só faltavam mais 20 minutinhos de barco até à ilha onde ficava o nosso resort. - Paradise Island Resort & Spa. Só o facto de dizer este nome uma pessoa fica logo mais relaxada.
Abriram as portas do avião e assim que pusemos o pézinho de fora sentimos logo aquele bafo como se tivéssemos aterrado no sol. Como já imaginava aquele calor, levei para "moi" uma t-shirt por baixo da camisola, no entanto, esqueci-me DESTA muda de roupa para o Kiko. #comoépossível - Ponto 5 dos meus essenciais, muito bem organizado, sim senhor... #not
Ainda não tínhamos saído do aeroporto já estava o miúdo a ficar da cor de um tomate.
Vá se lá perceber porquê, só tinha um body de manga comprida, uma camisolinha, meias, fato de treino e ténis, e SÓ estavam 33 graus com uma humidade de 80% que equivale a uma sensação térmica de 38 graus, já para não falar, de que era meio dia e estava um sol cujo índice UV devia ser de 100000, pelo menos era o que parecia.
Comecei por tirar os ténis, depois as meias, quando chegou ao barco já só estava de fralda e assim ficou até chegarmos ao quarto do hotel.
20 minutos depois de barco, chegámos!! Primeira impressão: "Morremos e estamos no paraíso".
A viagem pelo qual tínhamos passado, já era! Passava por aquilo tudo novamente.
Até porque vos digo, a viagem correu lindamente! O Francisco portou-se maravilhosamente e superou qualquer expetativa.
Agora era tempo de desfrutar, tínhamos uma semana para fazer "NADA". Ok, o "nada" quando se viaja com um miúdo pequeno não se aplica, mas vale TAAAAANTO a pena!!!!
A história de pré viagem já vai loooonga, portanto as férias propriamente ditas, serão relatadas numa próxima publicação! :)  Me aguardem!




Comentários

Mensagens populares deste blogue

1 ano..o rescaldo

Adultos precisam-se

Escapadinha de 3 dias - A começar por Bruges